14 junho 2016

Minha Participação na 1ª FLICIA, Festa Literária de Cianorte

No dia 9 de junho estive participando  da  I Festa Literária de Cianorte - FLICIA - no norte do Paraná. O evento ocorreu entre  os dias 07 e 10 junho, incluindo na programação apresentações artísticas e culturais, teatros, contação de histórias, exposição e venda de livros, relatos de experiências, trabalhos científicos e literários, mesas-redondas, homenagem aos escritores locais e premiação do V Concurso Municipal de Poesias. Minha participação ocorreu numa mesa redonda para discutir "Os desafios para incentivar a leitura na era digital", juntamente o com o jornalista mestre Rômulo Tondo, de Santa Maria, RS, mediada pelo jornalista Cléber Gonçalves, de Cianorte. Na minha exposição, abordei questões como as novas formas de leitura hipertextual, a necessidade de nos apropriamos das ferramentas digitais para incentivar nesse meio a leitura literária, porta de entrada para o gosto pela leitura e formação de leitores competentes e estratégias  para incentivar a leitura em ambos os suportes, livro digital ou físico. Compartilhei experiências como a Feira do Livro do Colégio Estadual Pe. Colbachini, onde trabalho e que nesse ano promove a 13ª edição , já somando 90 escritores presentes e mais de 12.400 livros dos mesmos adquiridos, lidos e trabalhados pelos alunos. Além disso compartilhei experiências e projetos colaborativos desenvolvidos por mim  no meio digital , incentivando  o gosto pela formação de leitores com o uso das tecnologias. Além disso, em outro momento realizei uma oficina de Blogs como Recursos Didáticos, para professores e acadêmicos. 
Foi uma experiência gratificante, que me proporcionou a alegria de vivenciar o primeiro evento literário do município, realizado com muito sucesso, repleto de público, infantil e adulto, circulando em meio à magia de personagens e  livros. Que essa seja a primeira de muitas edições da FLICIA!

Entrada da FLICIA,Centro Estadual de Educação Profissional - Escola Técnica
Eu e Rômulo Tondo, recepcionados pelo grupo Companhia Espaço Sou Arte, de Campo Mourão , que apresentou o espetáculo Num reino de príncipes e princesas
Durante a mesa redonda
Durante a mesa redonda
Durante a mesa redonda
Durante a mesa redonda
Público infantil recepcionado pelos personagens das histórias infantis
Público infantil recepcionados pelos personagens das histórias infantis
Companhia Espaço Sou Arte, de Campo Mourão
Companhia Espaço Sou Arte, de Campo Mourão
Com Rômulo Tondo, esperando conexão no Aeroporto de Guarulhos- SP
Com Cléber Gonçalves, de Cianorte, PR e  e Rômulo Tondo, de Santa Maria, RS

Mais informações e imagens  aqui. 

25 abril 2016

Ler faz bem à saúde e à alma

Um livro pode ser um presente valioso, porém desprezado por muitos. Hoje em dia, quando se fala em ler, muita gente torce o nariz, falando que não tem tempo para isso ou que não se interessa pela leitura. Isso acontece porque não criaram o hábito da leitura. Muitas vezes sequer leram um livro inteiro ou uma notícia no jornal. Como consequência, se tem cada vez mais pessoas alienadas e com pouco cultura. Isso sem falar que não sabem aproveitar uma boa história e têm dificuldade de interpretação. O ideal seria que a leitura começasse a ocorrer na infância e continuasse pela vida toda. Se não lê ainda, há tempo de reverter esse quadro e, se você já gosta de ler, saiba os benéficos que a leitura pode trazer.



Melhora o funcionamento do cérebro
O cérebro precisa ser exercitado e uma forma de fazer isso é colocá-lo para funcionar. Pesquisas indicam que pessoas com o hábito e leitura tem 30% a menos de risco de desenvolver Alzheimer.
A leitura mantém o seu cérebro ativo e ajuda a estimular a memória.
Permite conhecer lugares, mesmo estando longe
Um bom escritor te faz entrar na história e conhecer lugares que você nunca imaginou estar. Isso porque a sua criatividade é ativada e com as descrições que são feitas é possível que você imagine exatamente como é um lugar.
Quem quer conhecer um país e não tem condições ainda para viajar e encontrar essa felicidade, a leitura pode ser uma excelente alternativa.
Ajuda no seu desenvolvimento pessoal
Não precisa ser um livro de autoajuda. Depois de ler qualquer livro, com certeza você irá parar para refletir sobre os personagens e atitudes.
Dessa forma é capaz de tirar ensinamentos para a sua vida e refletir sobre as suas ações, fazendo com que consiga se desenvolver.
Ajuda a relaxar
Depois de um dia cansativo, todo mundo precisa de uma válvula de escape e o livro é perfeito.
Ele te faz entrar na história e se esquecer dos problemas ao mesmo tempo em que você se livra do estresse. Para lugares que precisar esperar como filas ou consultórios ele é um ótimo passatempo que te faz aprender e sem que perceba que o tempo está passando.
 


Aumenta o seu vocabulário
Quem lê com certeza tem um vocabulário cerca de 40% maior se comparado com as pessoas que não têm esse hábito.
Esse é um ponto positivo que te ajuda a se relacionar com os mais variados grupos de pessoas, mantendo uma comunicação clara.
Outro fator positivo em relação ao vocabulário amplo é em relação ao âmbito profissional, pois isso serve como um diferencial que dá destaque e reconhecimento.
É uma forma de lazer acessível
Ler é barato e faz bem! É possível comprar livros com valores bastante acessíveis e, se acha que eles são caros, os sebos podem ser uma ótima alternativa. Além disso, a leitura pode ser feita muito além dos livros, como em revistas, jornais e até mesmo na internet, onde o conteúdo é de graça e tem muita coisa de qualidade.
Agora que já sabe quais são os benefícios da leitura, que tal escolher o seu livro e começar a ler hoje mesmo?

21 abril 2016

A Liberdade Digital de Aprender - 4º SENID


         O 4º SENID, ocorrido  nos dias 18, 19 e 20, na UPF,  Passo Fundo, teve como tema a Liberdade Digital de Aprender. Durante os três dias, a programação teve mesas redondas, apresentação de artigos, relatos de experiência, oficinas, entre outras atrações. Uma delas foi o Laboratório de Cultura Digital, que aconteceu de madrugada, no prédio Mundo da Leitura. O objetivo foi refletir sobre as contribuições da cultura geek para a educação. Assim os participantes passaram a noite  jogando video game e aprendendo mais sobre RPG, mangás e o mundo nerd.  
        Durante o  SENID aconteceu o 2º Encontro de NTEs do RS, em que  foram feitos relatos sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido com a formação de professores e alunos. o NTE da 16ª CRE, de Bento Gonçalves, foi representado pela mim e Marcos Azambuja, o qual  apresentou o projeto que vem desenvolvendo com o software BibLivre, Biblioteca Livre, informatizando algumas da escolas da região. 


     Também ocorreu o 1º Encontro Encontro Gaúcho de Grupos de  Educadores Google, com a presença de Ricardo Nunes  Todo educador pode atuar como um líder, bastando ser indicado por outro e  aprovado pela equipe responsável e assim estimular ações, realizar formações.  Recentemente o Governo do Estado do RS assinou um acordo com a empresa e nos próximos meses  os professores estaduais deverão receber formação para uso dos aplicativos google em sala de aula, entre eles a Plataforma Classroom, exclusiva para escolas que aderirem ao programa. Quer saber mais, ingresse na comunidade GEG Brasil .

           Foram muitas oficinas oferecidas, dentre as quais as de programação como o Scratch. O software pode ser utilizado online ou ser baixado para uso offline. Existe também a versão Scratch Júnior, porém  disponível apenas para Android. Com esse software é possível criar animações usando códigos de programação. Outra oficina realizada foi a de Redes Sociais na Internet para Educadores , durante a qual foram criadas fan pages   e os participantes socializaram os links  no Grupo da Oficina no Facebook.  Uma terceira oficina a ser destacada é a Tela Cidadã, que orientou  os participantes  para a utilização do Portal que disponibiliza informações políticas e dados governamentais, como despesas dos políticos, valores de arrecadações, projetos e órgãos que utilizam dinheiro público, além de orientações sobre política.
             

 Uma das principais mesas redondas, que abriu o SENID,  teve o professor Nelson Pretto , da Universidade Federal da Bahia como palestrante. Em sua fala, destacou que a internet oferece duas possibilidade entre as quais vivemos um dilema: criar, produzir ou reproduzir, consumir. A escolha é nossa, dependendo do modelo de mundo que queremos , ser protagonistas ou submissos aos interesses de grandes empresas. Você é o que compartilha. O trabalho em rede, a colaboração, os softwares livres, uma nova engenharia na escola com espaços mais acolhedores e um currículo menos engessado foram ideias que Nelson Pretto pregou  aos educadores. Segundo ele, nenhuma tecnologia é eficaz por si mesma. Quem faz a tecnologia pedagógica é tão e somente um professor qualificado. Esse professor deve ser um autor e incentivar a autoria de seus alunos. Veja ou reveja aqui a   mesa redonda com Nelson Pretto. Outra mesa redonda que aconteceu foi "A APRENDIZAGEM NA ERA DOS MOOCS" com profa Dra Mari Jane Carvalho Soares . Mooc  é um tipo de curso aberto ofertado por meio de ambientes virtuais de aprendizagem, ferramentas da Web 2.0 ou redes sociais que visam oferecer para um grande número de alunos a oportunidade de ampliar seus conhecimentos num processo de co-produção.(wikipédia) . 
           


Segundo o professor  da UPF, Adriano Canabarro Teixeira, coordenador do SENID, a edição 2018 já começou a ser pensada.  Até lá!



20 abril 2016

Eu, presente no 4º SENID


Estou participando do 4º SENID, Seminário Nacional de Inclusão Digital, na UPF, em Passo Fundo. O tema dessa edição é a Liberdade Digital de Aprender . Numa das oficinas  Redes Sociais na Internet para Educadores, criamos uma fan page no facebook e eu resolvi criar a minha Blogosfera Marli para divulgar  as postagens de meus blogs nas redes sociais.  Então, curtam a minha página por lá. Clica  na imagem,entra na página e clica na palavra CURTIR. 


  






16 abril 2016

Temos Muito a Temer

       Como cidadã engajada, pessoa espiritualizada e acima de tudo como educadora comprometida não posso me furtar de deixar registrado o meu temor nesse momento dramático que vivemos em nosso país. 
       Tenho convicção do projeto de mundo que defendo, em que a todos é dado direito a  ter vez e voz , numa sociedade igualitária, que respeite as diferenças. Não vejo sentido em nada que se distancie desse ideal de vida.  É por isso que olho com muita apreensão aos acontecimentos relacionados  ao processo de impeachment da Presidência da República, defendido por um grupo de políticos sem idoneidade moral para tal ação, com pretensão de assumir o poder. Isso, no mínimo, é uma incoerência, pois  muitos dos que acusam o atual governo de crimes , são comprovadamente criminosos.  Independente do erros do governo atual, não me vejo representada por esses que querem substituí-lo. 
     Não temos e provavelmente nunca teremos uma sociedade ideal, com todos os problemas resolvidos e todas as necessidades atendidas, mas há prioridades, que devem ser os menos favorecidos. Isso  já foi dito há mais de dois mil anos atrás por Jesus Cristo, No Qual oriento minha fé. Não podemos perder isso de vista e deixar que as conquistas sociais retrocedam O país passa por dificuldades,  está inserido numa crise econômica mundial, e para piorar a corrupção  deteriorando o meio político como um TODO, e não é  só de hoje. Não sejamos ingênuos. Numa democracia, os crimes de corrupção são investigados, numa ditadura, são engavetados. Que TODOS os corruptos sejam julgados,  porém "com o mesmo peso e medida".
     Como ainda estamos numa democracia, qualquer um pode discordar dessa minha posição. Eu defendo  os direitos humanos. 
         Oxalá meu temores não se concretizem,  a paz e o entendimento  possam prevalecer. 

25 março 2016

Um olhar sobre o Menino e o Mundo


Essa sexta-feira santa amanheceu com uma chuva fina e persistente que atravessou o dia. Dediquei um tempo para ver O Menino e o Mundo. animação brasileira que me encantou, diferente de tudo que já havia visto em cinema. Os cenários feitos artesanalmente , com traços simples, enchem os olhos com imagens belíssimas, pura arte. A ausência de falas(só algumas invertidas) tornam a história universal e especialmente nesses tempos de turbulência em nosso país, extremamente significativa. Como uma criança enxerga o mundo que os adultos estão construindo, ou melhor, destruindo em todos os sentidos. A arte, a natureza, as coisas gratuitas e belas sendo engolidas pela ganância, ânsia de poder e dinheiro, gerando a desigualdade social, a violência e o embrutecimento das pessoas e do mundo no qual vivemos. Pensemos que todos os dias as crianças olham para o mundo e anseiam , na sua imaginação por algo muito diferente do que oferecemos a elas. E em algum momento, essa sociedade que padroniza as pessoas, esmagando seus sonhos, vai matando a criança em algum ponto do caminho para fazer nascer um adulto infeliz e submisso, conformado e enquadrado na busca de não sei o que, indo para não sei aonde. Um filme lindo pelo modo lúdico e artístico que mostra a realidade, mas triste pelo choque de jogar na nossa cara muitas verdades que caem de maduras.

Selecionei algumas críticas muito boas nos links abaixo. Não deixe de ler.
Minha versão do Cuca
O Menino eo o Mundo e suas questões desconcertantes
O Menino e o Mundo — A Mais Premiada Animação Brasileira de Todos os Tempos
Blog O Menino e o Mundo


08 março 2016

Dez mandamentos do professor

Leandro Karnal, publicou na Revista Pazes uma excelente matéria que reproduzo em parte diretamente aqui. Mas recomendo  a leitura na íntegra no link acima. Eu adoço e endoço essas ideias. Como educadora, eu me enxerguei nesses mandamentos. Pelo menos  eu procuro andar nessa linha. 

-PRIMEIRO MANDAMENTO: CORTAR O PROGRAMA!
Quase todas as disciplinas foram perdendo aulas ao longo das décadas anteriores. Não obstante, os programas nem sempre acompanharam estes cortes. Pergunte-se: isto é realmente importante? Este conteúdo é essencial? Não seria melhor aprofundar mais tais tópicos e menos outros? Se a justificativa é a pressão do vestibular, ela não pode ocupar 11 anos de Ensino Médio e Fundamental. Se a justificativa é uma regra da escola ou um coordenador obsessivo, lembre-se: o Diário de Classe sempre foi o documento por excelência do estelionato. A coragem da grande tesoura é essencial. Dar tudo equivale a dar nada. Ensinar a pensar não implica esgotar o conhecimento humano.
-SEGUNDO MANDAMENTO: SEMPRE PARTIR DO ALUNO!
Chega de lamentar o aluno que não temos! Chega de lamentar que eles não lêem, a partir de uma nebulosa memória do aluno perfeito que teríamos sido (nebulosa e duvidosa). Este é o meu aluno real. Se, para ele, Paulo Coelho é superior a Machado de Assis e baile Funk é superior a Mozart, eu preciso saber desta realidade para transformá-la. Se ele é analfabeto devo começar a alfabetizá-lo. Se ele está no Ensino Médio e ainda não domina soma de frações de denominadores diferentes devo estar atento: esta é minha realidade. A partir do zero eu posso sonhar com o cinco ou seis. A partir do imaginário da perfeição é difícil produzir algo. A Utopia, desde Platão e Thomas Morus, tem a finalidade de transformar o real, nunca de impossibilitá-lo.
-TERCEIRO MANDAMENTO: PERDER O FETICHE DO TEXTO!
Em todas as áreas, em especial nas humanas, os alunos são instigados quase que exclusivamente ao texto. Num mundo imerso na imagem e dominado por sons e cores, tornamos o texto central na sala de aula. Devemos estar atentos ao uso de imagens, música, sensorialidades variadas. O texto é muito importante, nunca deve ser abandonado. Porém, se o objetivo é fazer pensar, o texto é apenas um instrumento deste objetivo maior. Há pessoas que pensam e nunca leram Camões e há quem saiba Os Lusíadas de cor e não pense…Lembre-se de que há outros instrumentos. A sedução das imagens deve ser uma alavanca a nosso favor, nunca contra. Usar filmes, propagandas, caricaturas, desenhos, mapas: tudo pode servir ao único grande objetivo da escola: ajudar a ler o mundo, não apenas a ler letras.
-QUARTO MANDAMENTO: POSSIBILITAR O CAOS CRIATIVO.
Fomos educados a um ideal de ordem com carteiras emparelhadas e, mesmo no fundo do nosso inconsciente, este ideal persiste. Qual professor já não teve o pesadelo de perder o controle total de uma sala, especialmente na noite mal dormida que antecede o primeiro dia de aula? Devemos estar preparados para o caos criador e para o lúdico. Alunos andando pela sala, trocando fragmentos de textos ou imagens dados pelo professor, discussões, encenações, o professor recitando uma poesia ou mandando realizar um desenho: tudo pode ser canal deste lúdico que detona o caos criativo. Surpreenda seus alunos com uma encenação, com um silêncio, com um grito, com uma máscara. Uma sala pode estar em ordem e ninguém aprendendo e pode estar com muitas vozes e criando ambiente de aprendizado. Lembre-se o silêncio absoluto é mais importante para nós do que para os alunos. É difícil vencer a resistência dos colegas e da própria escola a isto. Lógico que o silêncio também deve ser um espaço de reflexão, mas é possível pensar que há valor num solo gentil de flauta, numa pausa ou num toque retumbante de 200 instrumentos.
-QUINTO MANDAMENTO: INTERDISCIPLINAR!
Assim mesmo, entendido o princípio como um verbo, como uma ação deliberada. É fundamental fazer trabalhos com todas as áreas. Elaborar temas transversais como o MEC pede e, ao mesmo tempo, libertar o aluno da idéia didática das gavetas de conhecimento. Não apenas áreas afins (como História e Geografia) mas também Literatura e Educação Física, Matemática e Artes, Química e Filosofia. É preciso restaurar o sentido original de conhecimento, que nasceu único e foi sendo fragmentado até perder a noção de todo. O profissional do futuro é muito mais holístico do que nós temos sido até hoje.
-SEXTO MANDAMENTO: PROBLEMATIZAR O CONHECIMENTO.
Oferecer ao aluno o cerne da ciência e da arte: o problema. Não o problema artificial clássico na área de exatas, mas os problemas que geraram a inquietude que produziu este mesmo conhecimento A chama que vivou os cientistas e artistas é transmitida como um monumento inerte e petrificado. Mostrem as incoerências, as dúvidas, as questões estruturais de cada matéria. Mostrem textos opostos, visões distintas, críticas de um autor ao outro. Nunca fazer um trabalho como: “O Feudalismo” ou “O Relevo do Amapá”; mas problemas para serem resolvidos. Todo animal (e, por extensão, o aluno) é curioso. Porém, é difícil ser curioso com o que está pronto. Sejamos francos: se é tedioso ler um trabalho destes, qual terá sido o tédio em fazê-lo?
-SÉTIMO MANDAMENTO: VARIAR AVALIAÇÕES.
Provas escritas são válidas, como a vitamina A é válida para o corpo humano. Porém, avaliações variadas ampliam a chance de explorar outros tipos de inteligência na sala. As outras avaliações não devem ser vistas como um trabalhinho para dar nota e ajudar na prova, mas como um processo orgânico de diminuir um pouco a eterna subjetividade da avaliação.
-OITAVO MANDAMENTO: USAR O MUNDO NA SALA DE AULA!
O mundo está permeado pela televisão, pela Internet, pelos jornais, pelas revistas, pelas músicas de sucesso. A escola e a sala de aula precisam dialogar com este mundo. Os alunos em geral não gostam do espaço da sala porque ele tem muito de artificial, de deslocado, de fora do seu interesse. Usar o mundo da comunicação contemporânea não significa repetir o mundo da comunicação contemporânea; mas estabelecer um gancho com a percepção do meu aluno.
-NONO MANDAMENTO: ANALISAR-SE PESSOALMENTE!
A primeira pessoa que deve responder aos questionamentos da educação é o professor. Somos nós que devemos saber qual o motivo de dar tal coisa, qual a relevância, qual a utilidade de tal leitura. O professor é o primeiro que deve saber como tal ciência transformou a sua vida. Isto implica fazer toda espécie de questão, mesmo as incômodas. Se eu não fico lendo tal autor por prazer e nem o levo aos meus passeios como posso exigir que um jovem ou uma criança o façam? Qual a coerência do meu trabalho? Minha irritação com a turma indisciplinada é uma espécie de raiva por saber que eles estão certos? Minha formação permanente me indica novos caminhos? Estou repetindo fórmulas que deram certo quando eu era aluno há 20 ou mais anos? É necessário um exercício analítico-crítico muito denso para que eu enfrente o mais duro olhar do planeta: o do meu aluno.
-DÉCIMO MANDAMENTO: SER PACIENTE!
Hoje eu acho que ser paciente é a maior virtude do professor. Não a clássica paciência de não esganar um adolescente numa última aula de sexta-feira, mas a paciência de saber que, como dizia Rubem Alves, plantamos carvalhos e não eucaliptos. Nossa tarefa é constante, difícil, com resultados pouco visíveis a médio prazo. Porém, se você está lendo este texto, lembre-se: houve uma professora ou um professor que o alfabetizou, que pegou na sua mão e ensinou, dezenas de vezes, a fazer a simples curva da letra O. Graças a estas paciências, somos o que somos. O modelo da paciência pedagógica é a recomendação materna para escovar os dentes: foi repetida quatro vezes ao dia, durante mais de uma década, com erros diários e recaídas diárias. As mães poderiam dizer: já que vocês não querem nada com o que é melhor para vocês, permaneçam do jeito que estão que eu não vou mais gritar sobre isto (típica frase de sala de aula…) . Sem estas paciências, seríamos analfabetos e banguelas. Não devamos oferecer menos ao nosso aluno, especialmente ao aluno que não merece nem quer esta paciência este é o que necessita urgentemente dela. O doente precisa do médico, não o sadio. O aluno-problema precisa de nós, não o brilhante e limpo discípulo da primeira carteira.

Watsapp: saiba mais da ferramenta




O Watssapp de tornou o comunicador preferido  na atualidade. Para comunicação individual e  muitas vezes em grupos, oferece muitas possibilidades, inclusive na educação. Porém muita gente ainda desconhece todas as possiblidades. Inclusive o uso do Watssapp Web, que pode ser utilizado  no próprio computador.  O site Mediação On Line publicou uma matéria muito esclarecedora 

Aplicativo Moment Cam


Parabéns a todas as mulheres, todos os dias.  Usei o aplicativo Moment Cam para  criar esse avatar com a minha fotografia. Baixei o mesmo no meu celular e me divirto muito.  

MomentCam é um aplicativo de fotografia que transforma as imagens dos usuários em cartoons. Gratuito e disponível para Android e iOS, o app está fazendo um grande sucesso no Brasil e no mundo. Se você também quer entrar nesta moda, confira o passo a passo mostrando como usar o programa. 

Baixe o aplicativo  e divirta-se!

07 março 2016

Novos botões do facebook



Recentemente o facebook passou a disponibilizar  botões de reação às postagens, como mais alternativas ao tradicional curtir, que nem sempre refletia a realidade. Para entender mais cada um dos ícones, leia aqui no site do Tech Tudo