13 junho 2018

O guia completo para os pais que querem proteger os seus filhos na Internet

Recebi  por e-mail a sugestão de publicação desse desse guia, publicada no blog VPNMentor. Considero de  alta importância o conteúdo, pois  nossas crianças, em idade de estar se socializando com as demais, já estão online, muitas vezes sem acompanhamento dos pais. Por isso, especialmente para estes  creio ser de muita utilidade. 

Introdução

Atualmente, vemos notícias sobre o impacto da tecnologia nas nossas vidas diárias o tempo todo. Muitos de nós começamos a pensar sobre como a tecnologia nos afeta pessoalmente. Mas quantos de nós já parou para pensar sobre como isso afeta os nossos filhos?
85% das mães disseram que usam tecnologia para manter os seus filhos ocupados.
As crianças estão ganhando o seu primeiro dispositivo compatível com a Internet cada vez mais cedo. Esse mesmo estudo mostrou que 83% das famílias americanas possuem tablets e 77% possuem smartphones.
Até mesmo na escola, a tecnologia é abundante. Os professores passam tarefas para casa que exigem pesquisa e ferramentas online, bem como uso de aplicativos para gerenciar essa tarefa para casa.
A tecnologia está sempre se adaptando e chegou para ficar, mas muitos não pensam sobre o risco de segurança em termos de segurança cibernética. Um estudo recente revelou uma estimativa surpreendente: 68% dos pais nunca verificam a atividade online dos seus filhos. E essa atividade online aumenta a cada ano.
Para muitas crianças, o mundo online é mais real do que o mundo real. É crucial para o bem-estar dos nossos filhos que entendamos o que eles veem online, o que está lá fora, tanto bom como ruim, e como ele afeta o seu bem-estar físico e emocional.
O problema, como muitos de nós admitiremos ansiosamente, é que sentimos que realmente não entendemos o mundo online. Instagram, Snapchat e Twitter são desconcertantes o suficiente, sem mencionar o 4chan e o TOR. Além disso, não achamos que temos as habilidades técnicas para navegar neste ambiente complexo.
A boa notícia é que não é tão difícil usar determinados controles técnicos para proteger os seus filhos online. Mais importante ainda é que a melhor coisa que você pode fazer para proteger os seus filhos é conversar com eles. Defina limites claros para o que e quando eles acessam online, mas também esteja disponível para os seus filhos quando cometem um erro, ou quando tiverem ido longe demais. A parentalidade não se resume fundamentalmente a isso?
Neste guia abrangente, descrevemos oito áreas nas quais você deve prestar atenção ao navegar neste complexo mundo online. Dependendo das idades dos seus filhos, nem tudo será aplicado a você. Pense nisso não apenas como diretrizes para o que você deve fazer agora, mas para o que você deve prestar atenção à medida que os seus filhos crescem.

1.  Celulares e aplicativos

De acordo com a pesquisa de consumidor da Influence Central, a idade média na qual as crianças recebem o seu primeiro smartphone é aos 10 anos de idade. Dar a seu filho um smartphone traz inúmeras vantagens. Um telefone é uma excelente ferramenta de segurança. O seu filho pode usá-lo para que você saiba que eles chegaram em segurança ao seu destino, chamá-lo para pedir carona ou ligar em caso de emergência. Você também pode usar o GPS no telefone dele para rastrear a sua localização. Saber que você sempre pode falar com o seu filho é uma grande paz mental para um pai.
Os smartphones, no entanto, também podem ser mal usados, e em algumas situações podem deixar as crianças vulneráveis. Como os smartphones são dispositivos pessoais, muitas vezes não sabemos o que nossos filhos fazem com eles ou como eles os usam.
Se você estiver pensando em dar ao seu filho um smartphone, ter diretrizes claramente delineadas antes ajuda para que todos fiquem em sintonia. Se o seu filho já tiver um smartphone, não é tarde demais rever as regras da família. Demonstre para ele que ter um smartphone é uma grande responsabilidade.
Implemente regras de uso do smartphone com o seu filho. Ao garantir que seus filhos envolvam você nas atividades ao telefone, você estará ajudando a mantê-los em segurança.
Há muitas precauções que você pode tomar para implementar a segurança do telefone:
  • Peça ao seu filho que assine um contrato de smartphone antes de lhe dar um. Imprima uma lista de regras de celular e coloque-a em um local público na sua casa.
  • Baixe os controles parentais. Os aplicativos de controle parental para crianças menores permitem limitar o uso do seu filho, determinar a sua localização e monitorar as suas chamadas e mensagens. Os aplicativos também permitem que você desligue certas funções em diferentes horas do dia. Por exemplo, desativar as mensagens de texto enquanto ele estiver dirigindo.
  • Defina os limites quando o seu filho pode usar um smartphone e por quanto tempo durante o dia.
  • Defina um exemplo pessoal para o seu filho. Não traga o seu telefone para a mesa de jantar e não envie mensagens enquanto dirige.
  • Estabeleça uma estação de carregamento em uma localização central na sua casa. Os telefones devem ficar fora do quarto do seu filho e eles não serão usados tarde da noite.

2.  Streaming de conteúdo e Smart TV

Nós gostamos de relembrar os momentos em que toda a família se reuniu ao redor da TV para assistir algo saudável juntos. (Na realidade, muitos de nós provavelmente possuímos uma televisão nos nossos quartos e passamos muitas horas assistindo a TV sem muita orientação de nossos pais.)
Dito isto, o conteúdo de streaming disparou em popularidade, e há mais programas de TV e filmes disponíveis ao nosso alcance do que nunca. Mas a maioria deles não é particularmente apropriada para crianças.
No entanto, ha algumas ótimas vantagens dos serviços de streaming. Muitos apresentam excelente programação educacional e documentários para crianças. A maioria não mostra nenhum anúncio, o que significa que os seus filhos não serão bombardeados com mensagens de publicidade por todos os lados, da mesma forma como são quando assistem a TV normal. Você pode abrir um mundo inteiro para os seus filhos com conteúdo em streaming contínuo – a chave é como usá-lo.
A maioria dos grandes provedores de conteúdo de streaming tem controles parentais, alguns mais robustos do que outros. A Netflix permite configurar perfis separados para você e para os seus filhos.
Usando essas ferramentas, você pode garantir que os seus filhos só tenham acesso a conteúdos adequados à idade deles. Como o menu infantil da Netflix possui um esquema de cores diferente do menu normal, você pode facilmente ver se os seus filhos acessam o conteúdo permitido ou não. No entanto, isso não impede que as crianças mudem para o seu perfil, por isso, você ainda precisa estar vigilante.
O iTunes e a Apple TV permitem que os pais estabeleçam níveis de classificação para o conteúdo ao qual os seus filhos assistem. Pelo contrário, a Amazon Prime não possui controles parentais, por isso, a única coisa a fazer é sair da sua conta e não compartilhar a senha.
No entanto, todas essas ferramentas não substituem as conversas frequentes com os seus filhos sobre o que eles assistem.
Monitor TV time infographic
Monitore o tempo passado em frente à TV, limitando o número de horas que eles assistem por dia, incorporando configurações dos pais, conversando com seu filho sobre o conteúdo que ele assiste, e passando o tempo em frente à TV juntos, em família.

3.  Consoles de jogos e jogos online

De acordo com o Grupo NPD, 91% das crianças americanas de dois a 17 anos jogam videogames. Os consoles de jogos têm sido um foco de medo e preocupação para muitos pais. Com tantos jogos com conteúdo violento ou de teor sexual, é importante ter cuidado com os tipos de jogos que os seus filhos estão jogando.
Além disso, os jogos de console que possuem um componente multiplayer, ou jogos totalmente online, estão abertos ao abuso de outros jogadores. Muitos jogos permitem que jogadores de todo o mundo conversem uns com os outros, expondo potencialmente as crianças ao assédio e ao bullying cibernético. As crianças também podem formar relacionamentos com outros jogadores e podem distribuir as suas informações pessoais.
Os jogos também são um ótimo caminho para as crianças desenvolverem uma variedade de habilidades. Eles ajudam as crianças a desenvolver habilidades de resolução de problemas, aprender a se comprometer com metas de longo prazo e como trabalhar como parte de uma equipe. Eles também podem ser uma ótima oportunidade para a ligação familiar. Felizmente, a maioria dos consoles de jogos fornecem controles parentais robustos, para que os pais possam monitorar o jogo dos seus filhos.
Monitor and encourage safe play infographic
Incentive os seus filhos a discutir os jogos que eles jogam. Verifique se o seu perfil filho está definido como privado. Considere manter o console de jogos em um espaço social compartilhado. Estude a classificação de idade dos jogos. Use os controles parentais para configurar os perfis. Limite o tipo de pessoas com quem o seu filho pode falar online.

4.  Mídias sociais

Embora o formato tenha mudado, os pais têm se preocupado com os programas de televisão e os videogames de seus filhos há anos. A mídia social, por outro lado, é uma nova preocupação.
O uso de mídia social agora é onipresente entre os adolescentes dos EUA: 71% utilizam mais do que uma plataforma social. As crianças hoje em dia também gastam uma enorme quantidade de tempo nas mídias sociais. Uma pesquisa do grupo sem fins lucrativos Common Sense Media mostrou que crianças de 8 a 12 anos de idade estavam online seis horas por dia, em grande parte em plataformas sociais, e crianças de 13 a 18 anos de idade, nove horas!
De acordo com um recente estudo da Harvard, apesar de a maioria das plataformas de mídias sociais exigir que os usuários tenham 13 anos de idade para se inscrever, 68% dos pais entrevistados ajudaram as crianças menores a criar uma conta.
As mídias sociais podem ser particularmente viciantes para pré-adolescentes e adolescentes. Elas também abre a porta para uma variedade de questões diferentes, como bullying cibernético, compartilhamento inadequado e conversas com estranhos (veja mais abaixo).
O acesso às mídias sociais também é fundamental para o desenvolvimento da identidade social dos adolescentes. É a forma como eles se conectam aos seus amigos, e pode ser uma maneira saudável de conviver com outras pessoas. A chave é descobrir alguns limites para que continue sendo uma experiência positiva.
Safe rules for social media infographic
Imponha um ambiente seguro. Não deixe seus filhos nas mídias sociais até eles terem idade suficiente. Mantenha o computador em um local público. Limite a quantidade de tempo gasto nas mídias sociais. Bloqueie o acesso à localização de todos os aplicativos. Ajuste as configurações de privacidade. Monitore a atividade online do seu filho.

5.  Bullying cibernético

A vida de nossas crianças se mudou para o ambiente online. Infelizmente, os bullies se mudaram para o ambiente online também.
O bullying cibernético está frequentemente nas notícias, com relatos de suicídios adolescentes devido ao assédio online.
O bullying cibernético ocorre em todas as plataformas que descrevemos acima, e vem de várias formas: propagando de rumores e envio de mensagens ameaçadoras através de mídias sociais, mensagens de texto ou e-mail, fingindo ser outra criança e publicando material embaraçoso com o seu nome, encaminhando fotos privadas sem consentimento e geralmente publicando online sobre outra criança com a intenção de humilhá-la ou degradá-la.
O bullying cibernético é particularmente prejudicial porque ele é muito público. No passado, se uma criança tivesse sido atacada no parquinho, talvez alguns dos seus colegas teriam visto. Agora, a informação mais privada de uma criança pode ser espalhada pela Internet e existir de forma permanente, a menos que seja denunciada e retirada.
O ciberbullying pode afetar negativamente a reputação online não só da vítima, mas também do agressor, e ter um impacto profundo no futuro dessa criança, incluindo admissões na faculdade e emprego.
Também é extremamente persistente. Se uma criança for alvo de bullying tradicional, a sua casa é mais do que nunca um lugar de refúgio. Uma vez que as plataformas digitais estão constantemente disponíveis, as vítimas do bullying cibernético têm dificuldade em encontrar alívio.
Muitas vezes, é muito difícil dizer se seu filho está sendo atacado online. Isso acontece online, por isso, os pais e os professores têm menos probabilidades de ouvir ou notar isso. Menos da metade das crianças que sofrem bullying online dizem aos pais ou a outro adulto o que estão passando, de acordo com a organização de segurança na Internet i-SAFE. Na verdade, de acordo com uma pesquisa do governo dos EUA, 21% das crianças com idade entre 12 a 18 anos sofreram bullying e cerca de 16% sofreram bullying online.
A melhor forma de evitar bullying cibernético ou de impedi-lo é estar atento ao comportamento do seu filho. Uma série de sinais de alerta podem ser apresentados.
Uma criança que é intimidada pode desativar a sua conta de mídia social e abrir uma nova. Ela pode começar a evitar situações sociais, mesmo que gostasse de ser sociável no passado. As vítimas (e perpetradores) de bullying cibernético muitas vezes escondem a sua tela ou dispositivo quando outras pessoas se aproximam e se tornam reservadas sobre o que fazem online. Eles podem se tornar emocionalmente angustiadas ou introvertidas.
Cyberbullying infographic
Fale com o seu filho sobre o bullying cibernético.

6.  Privacidade e segurança da informação

Como pais, estamos muito preocupados com o efeito do mundo online sobre o bem-estar emocional e físico de nossos filhos. As crianças são suscetíveis a ameaças à segurança da informação que podem causar danos financeiros. Essas são exatamente as mesmas ameaças que os adultos enfrentam: malware e vírus, golpes de phishing e roubo de identidade.
A questão é que as crianças são muito menos experientes e geralmente são muito mais confiantes do que os adultos. Para as crianças, compartilhar as suas informações pessoais, como seu nome completo ou onde elas vivem, pode não parecer algo importante. Elas podem até ser enganadas por um terceiro malicioso para compartilhar as informações do seu cartão de crédito.
Há várias formas pelas quais os hackers e ladrões podem obter informações de crianças. Jogos grátis de download, filmes ou até mesmo toques de celular que se comercializam para crianças podem colocar vírus no seu computador e roubar as suas informações.
Os hackers que se apresentam como empresas legítimas como a Google enviam e-mails que pretendem pedir a senha do seu filho. Ou eles podem se apresentar como um dos amigos de seus filhos.
O que você deve dizer ao seu filho?
  • Tenha uma conversa com os seus filhos sobre as grandes ameaças online hoje. Certifique-se de que eles saibam o que parece um ataque de phishing e um site de jogos desonestos. Dessa forma, eles saberão como não cair nesses golpes.
  • Certifique-se de que eles mantenham todas as suas informações privadas e de que nunca publiquem o seu nome completo, número de telefone, endereço ou escola que frequentam em um lugar público.
  • Fale com os seus filhos sobre senhas. Ter uma senha forte é a primeira e melhor medida para evitar invasões e roubos de identidade. Usar um gerador de senha segura como aquele que criamos é ótimo para esta ocasião, e experimentar senhas em conjunto é uma forma divertida de garantir que a senha do seu filho seja tão forte quanto possível.
  • Diga a seus filhos para evitar o uso de Wi-Fi pública – esta é uma forma fácil para os hackers entrarem em seus dispositivos.
O que você pode fazer para criar um ambiente seguro:
  • Instale um forte programa antivírus no seu computador doméstico e nos dispositivos de todos os membros da família.
  • Pense em instalar uma VPN no seu computador. Uma VPN, ou rede privada virtual, criptografa a sua conexão e torna anônima a sua navegação na Web. Isso torna muito mais difícil para os hackers acessarem e roubarem as suas informações privadas.
  • Se você e os seus filhos usam muitos dispositivos diferentes ao redor da casa, considere instalar uma VPN no seu roteador. Dessa forma, todo o tráfego de Internet que atravessa o roteador será protegido, sem a necessidade de instalar a VPN em todos os dispositivos.
  • Instale um bloqueador de anúncios para que os seus filhos não tenham que enfrentar publicidade enganosa que os encoraje a baixar programas maliciosos no seu computador.
  • Se os seus filhos tiverem smartphones, certifique-se de que as suas configurações de segurança estejam definidas no máximo.

7.  Visualizar conteúdos inapropriados online

Como a Internet é tão aberta e pública, também é um lugar onde as crianças podem acabar esbarrando em conteúdo destinado a adultos, conteúdo que elas podem achar perturbador, confuso ou angustiante. “Conteúdo inapropriado” pode significar muitas coisas para muitas pessoas diferentes, desde palavrões a violência, até conteúdo de teor sexual.
Não é fácil, mas, por fim, você terá que conversar com os seus filhos sobre o que eles podem ver online. Muitas crianças não recorrem aos pais quando veem algo que talvez elas não devessem ter visto por medo de que os seus pais fiquem bravos com eles e tirem os seus dispositivos ou acesso à Internet.
Se o seu filho chegar a você com esse tipo de problema, a melhor coisa a fazer é responder com calma e estar aberto a discussão. Se o conteúdo em discussão for sexual, o seu filho provavelmente já ficará envergonhado, principalmente quando conversa com os seus pais sobre esse tipo de questões. Deixe-os saber que você está lá para eles e está pronto para responder a qualquer pergunta sem julgamento.
Os jovens podem ver conteúdo sexual online por todos os tipos de razões. Eles podem ter visto por engano, um amigo pode ter enviado para eles ou eles podem ter procurado por curiosidade natural.
Isso ajuda muito a conversar com os seus filhos com honestidade e franqueza sobre sexo, e uma discussão sobre pornografia online é uma parte crucial. Muitas pesquisas mostraram que a pornografia pode ter um efeito prejudicial sobre os jovens, dando-lhes noções distorcidas e pouco saudáveis ​​sobre o sexo. A pornografia também pode levar as pessoas a pensar nos outros como objetos, em vez de pessoas com pensamentos e sentimentos. Ao mesmo tempo, é totalmente normal estar curioso sobre sexo e relacionamentos. Esta conversa é uma ótima oportunidade para direcionar os seus filhos para recursos positivos sobre a sexualidade.
Há também uma série de etapas que você pode seguir para tentar evitar que os seus filhos sejam expostos a conteúdo para os quais não estejam preparados, como configurar controles parentais na sua conexão com a Internet. Lembre-se, porém, de que as correções técnicas não podem substituir a comunicação aberta com seu filho.
Converse com o seu filho:
  • Deixe os seus filhos saberem que eles sempre podem vir até você se algo estiver incomodando, ou se eles tiverem dúvidas sobre qualquer coisa que tenham visto online.
  • Deixe-os saber que é totalmente normal estar curioso sobre o sexo. Direcione-os para recursos online positivos como o Brooke o Thinkuknow. O Thinkunow é particularmente bom para crianças mais novas, e inclui diferentes sites adequados à idade para diferentes faixas etárias. Você pode achar útil examinar o site em conjunto e discutir alguns dos problemas.
Passos que você pode dar para bloquear conteúdo inapropriado:
  • Defina filtros para bloquear conteúdos inadequados, como a pornografia.O seu ISP (provedor de serviços de Internet) deve fornecer controles parentais gratuitos, assim como a maioria dos consoles de jogos. Eles geralmente são bastante fáceis de configurar.
  • Defina o Google para o modo “Seguro” para que os seus filhos não vejam inadvertidamente conteúdo inapropriado nos resultados da pesquisa.
Instale um bloqueador de anúncios para evitar vírus que possam ter conteúdo inapropriado

8.  Predadores online

Na nossa última seção, demos uma olhada na ameaça online mais obscura e assustadora de todas: os predadores infantis online. De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, 13% dos jovens com acesso à Internet foram vítimas de avanços sexuais indesejados e uma a cada 25 crianças receberam convites para contato offline.
Os predadores se envolvem em uma prática chamada “preparação”. Em outras palavras, eles tentam criar um relacionamento com uma criança com a intenção de abusar dela.
A Internet tornou a vida muito mais fácil para predadores infantis. Os predadores escolhem as suas vítimas através de qualquer meio online: mídia social, e-mail, mensagens de texto e outros. No entanto, o método mais comum é através de salas de chat online. 76% dos encontros online com predadores sexuais começaram em salas de chat.
13% of kids with internet access are victims of sexual advances
  • Muitas vezes, os predadores criam múltiplas identidades online, fingindo serem crianças para enganar as crianças e assim conversar com elas. Eles descobrem o máximo possível sobre as crianças que estão buscando através de pesquisas nos perfis de mídia social delas e o que elas dizem nas salas de chat.Eles podem entrar em contato com uma série de crianças ao mesmo tempo, mas tendem a concentrar os seus esforços nas mais vulneráveis. Esses predadores não estão satisfeitos em apenas conversar com as crianças online. Eles frequentemente enganam ou coagem as suas vítimas para atividade sexual online, via webcam ou enviando imagens sexuais. Eles também podem tentar encontrar e abusar das vítimas pessoalmente.
    Nem sempre é fácil saber se uma criança está sendo assediada, especialmente porque a maioria mantém isso em segredo dos seus pais. Há uma série de sinais de alerta: as crianças que estão sendo assediadas por predadores podem se tornar muito secretas, porque o predador frequentemente ameaça a criança a não compartilhar informações com os seus pais ou amigos. As crianças também podem ficar tristes e introvertidas, distraídas e ter mudanças de humor repentinas. É absolutamente importante que o seu filho saiba que ele pode contar com você e que pode conversar com você sobre qualquer coisa.
    O que você deve dizer ao seu filho?
    • Tenha uma discussão com seu filho sobre os riscos de predadores online. Certifique-se de que eles saibam como ter cuidado com quem conversam online e não compartilhar informações pessoais com estranhos.
    • Diga a seus filhos que eles podem falar com você sobre qualquer problema, não importa o que seja.
    • Pense em trabalhar com algum conteúdo educacional com os seus filhos relacionado a este tópico, como os excelentes vídeos do Thinkuknow.
    Se você acha que seu filho está em risco, busque apoio da sua escola, um assistente social e a polícia.

Conclusão

Existem muitas ferramentas técnicas diferentes disponíveis para ajudá-lo a manter os seus filhos seguros online. Eles vão de VPNs e software antivírus a filtros de Internet e controles parentais. Mas nada disso é realmente suficiente para ajudar a proteger seu filho.
Como repetimos várias vezes neste guia, a chave não é dominar um conjunto de ferramentas técnicas complicadas. (Na verdade, a maioria é muito fácil de configurar, portanto, não deixe a falta de habilidade técnica detê-lo). Isso também não significa que você tem que dominar a última tendência da Internet toda vez alguma surgir – acredite em nós, você nunca vai conseguir fazer isso!
A tarefa muito mais importante, mas também muito mais difícil, é ter conversas frequentes, abertas e honestas com os seus filhos sobre as suas vidas. Lembre-se, as empresas de Internet, as redes de mídias sociais, os provedores de jogos e todos os outros no espaço online podem ajudá-lo a definir limites de conteúdo, mas eles não têm necessariamente preocupações sobre a segurança do seu filho.
A melhor pessoa para manter o seu filho seguro online é você. Falar sobre como ficar seguro na Internet é um excelente canal para construir um relacionamento confiável e positivo com o seu filho.
A segurança na Internet precisa ser uma prioridade para todos os pais e cuidadores. Se você achou este guia útil, considere compartilhá-lo com amigos e familiares no Facebook e Twitter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita e participação.Volte outra vez, estarei esperando! Esse espaço é para a sua participação respeitosa e aberta.
Para publicar o comentário, escolha uma identidade (ID) entre as opções que aparecem. Caso tenha conta no google(gmail), escolha a primeira opção ou então escolha ;Nome/ URL;, basta preencher o nome, caso não possua nenhum endereço de blog próprio(URL)